Alimentos e Nutrição Araraquara, Vol. 19, No 3 (2008)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

Ácidos fenólicos e atividade antioxidante em fruto de Physalis peruviana L

I. I. ROCKENBACH, E. RODRIGUES, C. CATANEO, L. V. GONZAGA, A. LIMA, J. MANCINI-FILHO, R. FETT

Resumo




Physalis peruviana (physalis) é uma fruta exótica com produção crescente no Brasil, havendo poucos trabalhos científicos realizados sobre a mesma. O objetivo deste estudo foi investigar o potencial antioxidante da fruta physalis e seu perfil de ácidos fenólicos. Foram determinados o conteúdo total de compostos fenólicos através do método Folin-Ciocalteau e a atividade antioxidante através do método ABTS (2,2´azino-bis-3-etilbenzotiazolin 6-ácido sulfônico) em diferentes extratos. O perfil de ácidos fenólicos presentes em diferentes frações na fruta também foi determinado. O teor de compostos fenólicos totais obtido para o extrato metanólico foi de 57,9 mg GAE 100g-1 fruta fresca e a atividade antioxidante de 31 μMol g-1. Foram encontrados 10 ácidos fenólicos nas três frações avaliadas, predominando os ácidos salicílico e protocatequínico. A fração de ácidos fenólicos esterificados solúveis apresentou maior conteúdo de fenólicos totais (346,1 mg 100g-1) refletindo na maior atividade antioxidante, expressa como valor TEAC (185,3 μMol 100g-1). Os resultados obtidos mostraram alto conteúdo de fenólicos totais e considerável atividade antioxidante para o fruto physalis, comparáveis a diversas outras frutas tradicionalmente consumidas no Brasil. Assim, o fruto physalis pode ser considerado uma boa fonte de compostos antioxidantes naturais.


Texto Completo: PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários

A submissão de artigos está sendo feita no novo Portal da Revista de Alimentos e Nutrição
Será necessário se recadastrar para submeter novos artigos