Alimentos e Nutrição Araraquara, Vol. 18, No 4 (2007)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

Teor de polifenóis e composição química do mirtilo do grupo Highbush

N. G. A. SILVEIRA, P. N. VARGAS, C. S. ROSA

Resumo



O mirtilo é uma pequena fruta originária da América do Norte que ganhou destaque devido às suas propriedades medicinais. As plantas são arbustos de pequeno porte e os frutos são bagas que quando maduras adquirem coloração azul arroxeada e de sabor doce-ácido. Devido às condições climáticas para o cultivo do mirtilo serem exigentes, a região Sul do Brasil é a mais favorável para o plantio e onde se encontra o pólo de produção no país. O objetivo do presente trabalho foi determinar a composição química, o teor de vitamina C e de polifenóis totais no mirtilo produzido na serra gaúcha. Para determinar a composição química foi utilizada a metodologia descrita em AOAC(1995), para os polifenóis o método de Folin-Ciocalteu e a vitamina C através da titulação com iodeto de potássio. Os resultados, para as amostras analisadas, foram: teor de vitamina C, 18,15 mg/ 100g, comparável à jabuticaba (19,24 mg/100g); umidade, proteína, lipídios, cinzas, fi bras, carboidratos, cálcio, e fósforo foram de, respectivamente, 87,68 %, 0,57 %, 0,1 %, 0,19 %, 1,69 %, 9,77 %, 12,10 mg/100g e 9,2 mg/100g; teor de polifenóis foi de 277,40 mg de EAG/100g, em equivalente ao ácido gálico. Observou-se que o mirtilo é uma fruta com baixo teor de gordura, baixa densidade energética e com um alto valor de polifenóis, tornando-se assim, interessante opção como fonte de antioxidantes.


Texto Completo: PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários

A submissão de artigos está sendo feita no novo Portal da Revista de Alimentos e Nutrição
Será necessário se recadastrar para submeter novos artigos